Ana Marcela Cunha é campeã olímpica na maratona aquática em Tóquio

  A espera acabou. Depois de quatro ciclos olímpicos, Ana Marcela Cunha, de 29 anos, colocou em sua gigantesca galeria de conquistas uma medalha no maio evento esportivo do planeta. A baiana levou um ouro histórico na manhã desta quarta-feira em Tóquio (noite de terça no Brasil) nos 10km no Odaiba Marine Park com o tempo de 1h59min30s08.

"Finalmente! Por mais nova que eu fui em 2008, esse é meu quarto ciclo olímpico. Vindo de uma frustração muito grande com uma não classificação, uma frustração no Rio. Acreditem nos seus sonhos"

- Quero agradecer ao meu clube, meus pais, minha namorada... Sonhava muito com uma medalha olímpica, mas representa muito ser campeã. Todos os brasileiros medalhistas me incentivaram muito, principalmente o Scheffer e o Bruno. É uma raia, uma chance, como eles dizem - disse a campeã olímpica assim que saiu da água.

Ana Marcela liderou a prova praticamente de ponta a ponta. Se manteve no pelotão da frente, marcou as concorrentes e disparou para vencer com um corpo de vantagem. Dentro da água, a brasileira já sentia que dessa vez ninguém tiraria dela o lugar mais alto do pódio.

- Falei com o Fernando (treinador) que para ganhar de mim iam ter que nadar muito. Eu sabia o quanto eu estava preparada, melhor do que Kazan, que foi um Mundial em que deitei e rolei.

"Fiz a minha prova e aprendi a ser feliz. Fui feliz fazendo o que eu amo e foi tudo bem"

A holandesa Sharon van Rouwendaal, ouro na Rio 2016, levou a medalha de prata. O bronze terminou nas mãos da australiana Kareena Lee.

Foi a segunda medalha do país em provas de maratona aquática nas Olimpíadas desde que o evento foi incluído em Pequim 2008. Em 2016, Poliana Okimoto havia levado o bronze no Rio de Janeiro.

Ana Marcela já havia participado de duas Olimpíadas em sua carreira. Nos Jogos de Pequim 2008, então com apenas 16 anos, ela terminou na quinta posição. De maneira surpreendente, acabou não se classificando para Londres 2012, o que sempre considerou a grande frustração de sua carreira.

Chegou às Olimpíadas do Rio 2016 como favorita, mas ao perder uma reposição líquida viu sua estratégia comprometida e terminou apenas na décima posição - Poliana Okimoto levou o bronze na Praia de Copacabana.

Ao todo, Ana Marcela soma 11 medalhas em Campeonatos Mundiais de Esportes Aquáticos, das quais cinco de ouro. Além disso, foi eleita a melhor maratonista aquática do mundo em seis temporadas.

A organização dos Jogos de Tóquio programou a largada no Odaiba Park Marine para as 6h30 (local, 18h30 da terça-feira do Brasil) para tentar evitar o calor. A temperatura da água durante a travessia ficou na faixa dos 29ºC. O trajeto compreendeu sete voltas de praticamente 1,4km cada uma.

Com 1km de prova, Ana Marcela ocupava a quinta posição no geral, apenas 1s4 atrás da líder, a alemã Leonie Beck. No pelotão de caça a ela figuravam, além da brasileira, a francesa Lara Grangeon, a canadense Kate Sanderson e a russa Anastasiia Kirpchinikova.

Com 1,4km, que marcou o fim da primeira volta, a baiana já aparecia na ponta (parcial de 18min15s6), com a norte-americana Ashley Twichell em sua cola. As conseguiam, contudo, desgarrar um pouco do pelotão, com cinco segundos em relação às perseguidoras. A esta altura houve uma reposição líquida para as atletas, momento em que elas recebem bebidas - geralmente dos treinadores - para aguentarem os 10km. Naquele trecho, a americana Twichell retomou a ponta, com a alemã Beck em segundo e Ana Marcela em terceiro.

Quando a segunda volta chegou ao fim (2,9km), brasileira e americana estavam separadas por uma diferença desprezível, de um centésimo (35min14s2 x 35min14s3), enquanto Beck ficara para trás em pouco mais de três segundos.

Mas, como a prova dos 10km tem muita alternância, é normal que nadadores oscilem nas posições durante o percurso. Na faixa dos 4km, a baiana caiu para a quinta posição, atrás pela ordem de Twichell, a também norte-americana Haley Anderson, a francesa Grangeon e a alemã Beck.

Ana Marcela dispensou a alimentação no final da terceira volta e assumiu a dianteira, com 52min22s. Na parcial de 5,2km, pouco mais da metade de prova, ela tinha a marca de 1h02min30s5, três segundos à frente de Twichell e Beck.

A brasileira perdeu a liderança pouco depois, quando aí sim fez a reposição líquida, mas continuou grudada em Twichell e quase três segundos à frente da alemã. Quando veio a atualização dos 6,6km, a cronometragem mostrou a norte-americana à frente, com Ana Marcela 2,3s atrás.

Com 1h30min de disputa, a alemã Leonie Beck fez um ataque e tomou a ponta, deixando Twitchell para trás. Campeã olímpica no Rio, a holandesa Sharon van Rouwendaal também aumentou o ritmo e apareceu em terceiro, jogando Ana Marcela para o quarto lugar momentaneamente. A partir desse momento começou a despontar a chinesa Xin Xin, campeã da distância no Mundial de Esportes Aquáticos de Gwangju, na Coreia do Sul, em 2019.

Logo depois da marca de 8,6km, Ana Marcela tomou a ponta de volta e começou a acelerar o ritmo. Ela manteve a vantagem na marca dos 9,35km, e se posicionou bem a 635m do fim da disputa.

Ninguém mais a parou. Em 1h59min30s08, ela escreveu o capítulo mais bonito de sua trajetória.

Globo Esporte

Postar um comentário

0 Comentários