Palmeiras antecipa provável emoção da Libertadores e volta de Brasília sem título

  Matías Viña expulso em Palmeiras x Defensa y Justicia — Foto: Staff Images/ConmebolQuase tudo o que o Palmeiras mostrou de positivo no domingo contra o Flamengo faltou na partida desta quarta-feira contra o Defensa y Justicia. Se o Verdão teve ótima atuação na Supercopa, a equipe de Abel Ferreira deixou muito a desejar na Recopa em mais uma decisão que teve o mesmo fim: derrota palmeirense nas cobranças de pênaltis, após revés por 2 a 1 no tempo normal.

Em uma emoção antecipada da fase de grupos da Libertadores – Palmeiras e Defensa y Justicia estão no Grupo A ao lado de Universitario (Peru) e Independiente del Valle (Equador) –, o Verdão testou uma nova formação no meio de campo no seu último jogo em Brasília.

Danilo e Patrick de Paula entraram nos lugares de Felipe Melo e Zé Rafael, algo até previsto pelos recentes desempenhos. A ideia de dar mais força e velocidade na marcação não impediu o time argentino de pressionar e ser melhor nos primeiros 45 minutos.

O raro vacilo de Gustavo Gómez não foi a única jogada de perigo do time de Sebastian Beccacece, que manteve uma intensidade e chegou a pressionar os palmeirenses durante grande parte da primeira etapa.

Com os dois garotos, mas uma linha avançada de marcação, o Verdão correu atrás na defesa e apostou nos contra-ataques com Rony, Wesley e Breno Lopes. O último pouco apareceu, mas o primeiro sofreu pênalti convertido por Raphael Veiga e depois deixou Wesley na cara do gol em boa chance para o segundo.

A segunda etapa teve uma equipe palmeirense nervosa e com uma enorme dificuldade de marcação pelo lado esquerdo. As jogadas de velocidade não funcionaram como antes, e a única chance foi com Rony – sempre ele – após passe de Patrick de Paula.

O jogo começou a dar muito errado para o Palmeiras quando Matías Viña sofreu falta no campo de ataque e respondeu com um chute no adversário. O árbitro errou ao não marcar a infração para o time alviverde, mas acertou, com auxílio do VAR, ao mostrar cartão vermelho para o uruguaio.

Com o adversário pressionando, Abel Ferreira tentou segurar a pressão com as entradas de Gabriel Menino, Alan Empereur e Felipe Melo. Deu certo até os 47 minutos do segundo tempo, quando Alan errou saída de bola e viu Benítez achar um improvável chute de fora da área para fazer o segundo gol do time argentino.

Nervoso mais uma vez, o Verdão teve expulsão de três membros da comissão técnica (preparador físico, auxiliar e gerente de futebol) que estavam no banco de reservas. É verdade que a arbitragem deixou a desejar, mas não teve influência no resultado final.

O que poderia ter evitado o pior foi a penalidade que Gustavo Gómez desperdiçou no primeiro tempo da prorrogação, após Rony brigar em mais uma disputa no ataque e ter a falta dentro da grande área marcada mais uma vez com auxílio do árbitro de vídeo.

Os pênaltis, porém, não parecem mais jogar a favor do Verdão. O paraguaio contou com a sorte para marcar a tentativa dele na série final, mas Luiz Adriano e Weverton isolaram suas cobranças e enterraram as chances dos palmeirenses festejarem o primeiro título da sua história na Recopa.

O Palmeiras ainda tem um elenco forte, jogadores importantes e seguirá disputando coisas coisas grandes em 2021. Mas é necessário entender que a fase de grupos da Libertadores será decidida nas próximas seis semanas, entre diversos jogos do Campeonato Paulista. A repetição do nervosismo e de alguns erros pode ser decisiva para a temporada.

Globo Esporte

Postar um comentário

0 Comentários