Prefeita pagou quase R$ 600 mil a empresa de Pernambuco para sanitizar escolas, empresários de Bayeux fariam pela metade

  Os órgãos de investigação mais famosos do mundo (FBI, PF, INTERPOL) adotaram um procedimento padrão para desvender as grandes roubalheiras: SEGUIR O DINHEIRO. Ou seja, quando surgem denúncias de corrupção, basta seguir o dinheiro para chegar aos corruptos.

Em Bayeux, as pistas estão por toda parte. Para fazer serviços de dedetização e higienização das escolas e creches do município, a secretaria de educação, comandada por uma família de políticos, foi buscar em Paulista/PE uma empresa que cobrou R$ 583.445,00 pelo serviço. A Prefeita Luciene foi rápida e assinou Contrato e Ordem de Serviço ainda em outubro de 2020, quando não havia a menor expectativa de retomada das aulas presenciais, devido à pandemia.

Quando a Imprensa divulgou o fato, pelo menos 3 pequenos empresários de Bayeux, procurados pela reportagem, garantiram que poderiam fazer os mesmos serviços pela metade do preço ou ainda menos.

Eles fizeram questão de elaborar uma Planilha de Gastos, com os produtos e insumos que seriam utilizados, mão de obra e margem de lucro. Se a Prefeitura pagasse a qualquer uma dessas empresas, o valor de R$ 300 mil, os serviços poderiam ter sido prestados com qualidade e segurança e teriam gerado emprego e renda no município.

O problema é que não houve licitação. A empresa pernambucana ganhou de bandeja essa grana. E o que se comenta à boca graúda pela cidade é que agentes políticos foram beneficiados para montar e facilitar todo o esquema.

Cabe ao Ministério Público, Tribunal de Contas e PF seguirem o dinheiro, já que as verbas são federais.

Somente para se ter uma ideia do exagero dos gastos, o CEFOR foi dedetizado por quase R$ 22 mil. E a Creche Clotilde Catão chegou a quase R$ 30 mil, conforme tabela abaixo.

Um empresário de Bayeux garantiu que faria o serviço no CEFOR por R$ 5 mil e sairia pulando num pé só de alegria, com um bom lucro no bolso.

Postar um comentário

0 Comentários