Marmuthe desaprova aumento do gás natural em plena pandemia

 


O aumento das tarifas de gás natural na Paraíba, que entrou em vigor nesta segunda-feira (1°), foi desaprovado pelo vereador de João Pessoa, Marmuthe Cavalcanti. De acordo com o parlamentar, este reajuste em plena pandemia da Covid-19 causa prejuízos para diversos segmentos da sociedade, desde a dona de casa até setores do comércio e da indústria, que utilizam o gás em suas atividades diárias.

A diretoria da Agência de Regulação do Estado da Paraíba decidiu aprovar o aumento da tarifa média de 3,3% sobre o preço do gás natural comercializado pela Companhia Paraibana de Gás (PBGás). Segundo a publicação feita no Diário Oficial, o reajuste será de 3,4% no segmento industrial; 3,4% no segmento de Gás Natural Veicular (GNV); 3,9% no segmento Gás Natural Comprimido (GNC); 2% no segmento comercial; 1,3% no segmento Residencial; 4% no segmento dos Energéticos de Baixo Valor Agregado (EBVA); 4,3% no segmento Geração Distribuída (GD) e 3,7% no segmento Cerâmico e Mineração.

“A situação econômica da população e setores produtivos é muito delicada. Assim como no início da pandemia do novo Coronavírus, o Estado e suas instituições deveriam buscar alternativas para reduzir ou congelar tarifas, e não o contrário. Com este novo aumento do gás, tanto a dona de casa vai sofrer o prejuízo; quanto os taxistas que utilizam o gás veicular e já estão sem tantas corridas, com lucro reduzido; além de setores do comércio e da indústria paraibana, que também sofrem os impactos da crise sanitária”, disse Marmuthe.

Vale salientar que ao longo dos últimos 10 anos, aqui na Paraíba, houve um aumento constante de tarifas em serviços essenciais para a população. O gás encanado comprimido teve um reajuste acumulado de 60,92%. Já o gás encanado residencial aumentou em 90,84% nesse período. Por sua vez, o Gás Natural Veicular (GNV) teve um acréscimo de 69,97%; enquanto o gás encanado industrial elevou em 55,26%.

Assessoria

Postar um comentário

0 Comentários