Frei Anastácio resiste na coerência política e ética do PT em tempo de mau exemplo de Luiz Couto

 De todos os capítulos postos à mesa na atual campanha municipal em João Pessoa a cena em torno do PT versus Ricardo Coutinho é a que mais reproduz efeitos na esquerda, sobretudo pela força da base petista em torno da candidatura de Anísio Maia com destaque especial para a conduta do deputado federal Frei Anastácio.

Diferente de Luiz Couto que em 2016 abandonou a candidatura do PT de Charliton Machado – fato recorrente na sua trajetória política de incoerência partidária – Frei Anastácio se impõe como defensor das políticas “Fora Bolsonaro” defendida unicamente por Anísio Maia no Horário Eleitoral fazendo deste gesto a crença na ética e coerência  política.

Poucos viram, mas foi o deputado federal Frei Anastácio quem desmoralizou no debate em São Paulo a direção nacional do PT ao exibir com clareza a fala do presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, declarando abertamente que o partido socialista desaprovava a aliança de Ricardo Coutinho com o PT, algo que a cúpula nacional quis impor de baixo pra cima ignorando a capacidade de organização local para construir uma candidatura de toda militância.

Luiz Couto em atividade de campanha de Ricardo Coutinho nas ruas de João Pessoa (Divulgação)

Já para não ser candidato a prefeito de João Pessoa, Luiz Couto argumentou que não podia ficar exposto à COVID-19, mas tem sido visto nas ruas em aglomerações, o que deva contrassenso indiscutível.

Por fim, Frei Anastácio se credencia no campo da Esquerda com autenticidade e coerência fortalecendo a base partidária com exemplo a ser distinguido, muito além dos que na vida perderam aulas de ética tão fundamentais na atividade política no País.

Wscom

Postar um comentário

0 Comentários